Seja bem-vindo ao nosso blog. Faça comentários, envie e-mails com sugestões e dicas. Sua ajuda é muito importante.

E no princípio era...

quarta-feira, 15 de agosto de 2007


É bem verdade que a beleza do mito da Torre de Babel enriquece a cultura mitológica de um povo, mas ela não serve para explicar o surgimento da diversidade lingüística na humanidade. É óbvio que as línguas não surgiram de uma só vez, em função do descontentamento de Deus devido à ganância do homem. Essa evolução lingüística se deu lentamente e muito anteriormente ao que se supõe da construção da famosa torre. A busca pelo embrião de uma língua ou família lingüística é um trabalho fascinante, mas árduo.
Todas as línguas européias, com exceção do húngaro, do estoniano, do finlandês e do basco, pertencem à família das línguas indo-européias, que se estende por toda a Europa, atravessando o Cáucaso até o Irã e o norte da Índia.
Acredita-se que o proto-indo-europeu teve origem há 25 mil anos na Europa Central, daí se difundindo por toda a Europa e através da Rússia e do Irã para o subcontinente indiano. O motivo dessa migração foi a busca de alimentos, campos de caça e terras férteis. No decorrer de suas andanças, esses falantes do indo-europeu desenvolveram a maioria das línguas que nós, seus descendentes europeus, norte e sul-americanos e asiáticos, falamos hoje. Ao longo das grandes migrações, entretanto, a língua original transformou-se tanto que os falantes de suas formas modificadas já não se compreendiam mais uns aos outros. Esta sim, uma representação bastante realista do mito da Torre de Babel.
Pesquisadores lingüísticos, na busca da pátria original do grupo lingüístico indo-europeu, levantaram a hipótese de que três palavras comuns a todas as línguas do grupo poderiam estabelecer onde teve início a proto-língua. Essas três palavras localizadoras eram, “faia”, “tartaruga” e “salmão”, cuja palavra chave (lox = salmão) pouco variava nas línguas ancestrais. O único local geográfico onde todas essas formas vivas eram encontradas juntas é a área da Europa Central entre os rios Elba, Oder, Vístula e Reno. Essa teoria é corroborada pelo fato de a língua falada mais próxima das raízes do indo-europeu original ser o lituano, ainda falado na área citada anteriormente.

2 comentários:

Jorge Alberto disse...

Uma grata surpresa encontrar seu blog que trata de um assunto muito interessante. Não sou estudioso da palavra, mas apenas um curioso que gosta de saber a respeito delas.

Certamente voltarei mais vezes aqui e indicarei o Babel - As línguas do Mundo.

lamiss ibrahim disse...

nice
http://www.kuwait.prokr.net/category/anti-bugs/
http://www.kuwait.prokr.net/